HOT NEWS

Crônicas Sorcerianas: O oráculo


Crônicas Sorcerianas são histórias sobre Metacromado, um garoto filho de artesão que sempre teve tudo o que seus pais podiam lhe proporcionar: conforto, amor e estabilidade. Porém, o garoto almejava ser um grande sorcerer e, para isso, precisava sair do seu ninho familiar para voar ao longo das terras tibianas, enfrentando criaturas e ser desafiado pelas mais difíceis tarefas que um feiticeiro poderia passar para alcançar o ápice do conhecimento. Mas tudo isso não passava de apenas um sonho de um jovem que vivia ao leste de Thais, plantando sementes e ouvindo conselhos do senhor Palomino.

Perdeu algum capítulo? Leia todos aqui!
Olá amigos leitores, venho novamente me explicar a todos vocês, que acompanham as crônicas do nosso amigo Metacromado, sobre a breve pausa que essa coluna teve. Bom, meus estudos apertaram nesse final do semestre e, por isso, não consegui tempo suficiente para me dedicar à escrita. É muito provável que isso de tempos em tempos volte a acontecer. Porém, como eu amo escrever, não quero deixar de lado essa minha paixão tanto pela escrita, quanto pelo Tibia. Boa leitura!


- Metacromado, acorde - disse Katherine com a voz animada - Chegamos!

O garoto mal acordara e a menina já estava o apressando para que levantasse o mais rápido possível.
- Calma, calma... estou indo!


Lá estava Rook, uma ilha de médio tamanho, mas encantadora, com árvores belas e temperatura amena. Naquele instante, um grande nervosismo tomara conta do peito de Metacromado, era como se um filme passasse pela cabeça do menino. Afinal, foram muitas noites acordado sonhando com esse grande dia.

- Vai ficar aí o dia todo? - disse Katherine, dando uma empurradinha no garoto, fazendo ele voltar a realidade naquele instante.

Uma hora se passara desde que os dois chegaram à estalagem no centro da cidade, onde se acomodaram. O local era rústico, parecia que tudo havia sido talhado na madeira detalhadamente. A lareira ao fundo trazia à sala onde os dois estavam uma sensação de calma, nem parecia que estavam prestes a viver muitas aventuras.

Logo, o silêncio fora quebrado quando a porta de quase três metros se abriu, ecoando um grande ruído pelo espaço.

- Olá, novos aventureiros, é com muito prazer que lhes dou boas-vindas à minha estalagem. Me chamo Loui.
- Tomei a liberdade de trazer esses itens para que vocês possam iniciar suas aventuras - disse o homem, enquanto ajeitava seus óculos e cabelos negros, sentando-se na poltrona junto à lareira.

Os novatos já estavam vestidos com seus equipamentos, na cintura, pequenos punhais, sem contar com o pequeno escudo de madeira em suas costas.

- Antes de iniciar suas aventuras, precisam ir até o Oráculo. Ele é o espírito governante que guia todos os novos aventureiros.

Então, eles subiram dois lances de escadas e chegaram a uma sala com uma grande estátua em forma de anjo.

- E agora, Katherine, o que vamos fazer? - retrucou preocupado o menino.
- Não sei... Talvez seja melhor irmos embora. Não sabia que era uma estátua, talvez seja apenas uma tradição vir até aqui.

Já haviam desistido e dado as costas à imensa estátua talhada em mármore, quando uma voz feminina pôde ser escutada.

- Pessoal?


Os dois viraram-se deparando com uma moça de vestes brancas que se harmonizavam com os seus cabelos e tons de pele de cor semelhante.

- Vocês estão prestes a começar sua jornada e coisas perigosas podem aparecer no caminho de vocês. Eu os abençoo para que, a cada ferimento, aprendizado possa ser adquirido e a vida, acima de tudo, possa ser preservada.

De repente, uma grande ventania entrou no cômodo, apagando todas as velas, deixando uma escuridão, que durara alguns segundos, até que as mesmas velas, novamente sozinhas, voltaram a iluminar o quarto, restando apenas a grande estátua, mas nenhuma moça de vestes brancas flutuantes ao vento.
Metacromado está prestes a iniciar sua jornada! Quais serão as dificuldades que ele encontrará em seu caminho? Acompanhe nos próximos capítulos!

Gostou do conteúdo? Comente aqui! 
Seu feedback é muito importante para nós e para o autor. 
Escrito por: Magno Vieira
Proibida a reprodução deste conteúdo sem autorização prévia.

No comments