11 setembro, 2017

Novas Maravilhas Tibianas - Capítulo I: Banuta

Novas Maravilhas Tibianas - Capítulo I: Banuta


Em março de 2015, Amaro de Quester, a Guilda dos Aventureiros e a Sociedade dos Exploradores convocaram uma eleição (confira a notícia oficial aqui) para escolher as 8 novas maravilhas tibianas. Antigamente, os monumentos consagrados eram: o Colosso de Kazordoon; a Black Pyramid de Dracônia; o Great Lighthouse Tree de Ab’Dendriel; a Thorntower de Shadowthorn; a cidade subterrânea de Mintwallin; a cidade pirâmide de Ankrahmun; a Black City of Skulls e a Great Lava Falls, ambos em Hellgate. Com a expansão do mundo tibiano, novas obras-primas foram construídas e Amaro achou prudente dividir com os tibianos o direito de escolha das novas maravilhas do Tibia.

Os monumentos vencedores foram os seguintes: 

• Demona
• Dark Cathedral
• Statue of God King Qjell
• Drefia
• White Raven Monastery
• Banuta
• Noodles Academy of Modern Magic
• Inner city of Yalahar


Nós, do Tibia Life, decidimos pesquisar mais sobre a história desses monumentos e compartilharemos tudo com vocês, começando pela história de Banuta (ou melhor, Cha'zzar).
Então senta que lá vem história!

Capítulo I: Banuta



Há muitos séculos, o território de Tiquanda não era povoado por homens e pouco se sabia sobre o que a selva escondia. Um lugar em particular despertava a curiosidade de muitos homens, Banuta, mas poucos se arriscavam viajar até lá e, assim, apenas alimentavam sua curiosidade por meios de histórias. Eles tinham certeza da existência de uma cidade pirâmide habitada por macacos, mas muitos se questionavam sobre como seres desprovidos de inteligência haviam construído uma cidade sozinhos.

O domínio dos espíritos:


Havia uma lenda sobre espíritos que manipulavam as mentes dos macacos e os obrigara a construir a cidade pirâmide. E, com o fim desse controle, os macacos ficaram novamente desorganizados e inaptos a manterem a ordem naquela cidade. Essa teoria é bastante questionável. Afinal, por que tais espíritos construíram uma cidade para depois deixá-la em ruínas e aos cuidados dos macacos? Há quem acredite que esses espíritos, na verdade, não deixaram nosso mundo e que seus poderes foram apenas drenados. Dessa forma, o domínio sobre os macacos foi interrompido, deixando-os mais agressivos o que é comprovado através de suas constantes invasões a Port Hope. Contudo, como esses espíritos não obtiveram seus poderes de volta através das pirâmides? Uma vez que as pirâmides são conhecidas por sua estreita ligação com a morte e a sabedoria. Acredita-se que através delas é possível conversar com antepassados mortos e gozar de sua enorme fonte de sabedoria. Outra possibilidade é saída intencional dos espíritos para outras dimensões através do conhecimento e da energia obtidos nas pirâmides. Resta ainda a possibilidade de os espíritos estarem apenas repousando e que podem acordar a qualquer momento, restabelecerem seu domínio sobre os primatas e, quem sabe, sobre outras civilizações.


A expedição de Ploch Pridestride:


Um homem chamado Ploch Pridestride, querendo entrar para história, levou sua expedição ao interior de Tiquanda para descobrir o mistério sobre Banuta. Analisando a cidade, a expedição de Ploch Pridestride observou detalhes que confrontavam a lenda de que espíritos dominavam os macacos. Ploch percebeu que a maioria dos objetos e alguns equipamentos espalhados pela cidade eram completamente estranhos aos macacos, eles não haviam sido construídos para o uso deles. E, além disso, percebeu também monumentos ainda intocados, escondidos pela selva, como pinturas no chão e nas paredes, bem como estátuas que mostravam serpentes e lagartos de alguma família incompatível a dos macacos. Assim, Ploch lembrou-se de outra lenda que sugeria a existência de lagartos inteligentes e que viviam em algum lugar nas profundezas da selva. Os Lizards eram, definitivamente, as mentes brilhantes por trás das obras em Banuta e não espíritos como já fora sugerido.

...E as serpentes?



Os Lizards sempre disseram adorar as serpentes e por muitas gerações foram fieis ao Deus delas. Em troca da devoção dos lagartos, as Serpent Spawns foram criadas e tornaram-se o coração da cultura Lizard. A presença de símbolos referentes às serpentes por Banuta só reinterava ainda mais essa proximidade. E, assim, tiveram sua época de ouro em Banuta, chamada por eles de Cha'zzar. Escravizaram várias gerações de macacos a fim de não só construírem, como também manterem a ordem na cidade pirâmide. Não se sabe ao certo quando começou, mas os Lizards foram perdendo o controle sobre as Serpents Spaws e tiveram sua existência completamente ameaçada. Acredita-se que as serpentes tiveram suas mentes tomadas por uma loucura que deu início a queda da civilização dos lagartos, pois elas não conseguiam diferenciar aliados de inimigos e, dessa forma, letalmente atacavam todos ao seu redor. Os macacos aproveitaram a instabilidade que atingia o domínio lizard e iniciaram uma revolta. Sem aliados, os Lizards tiveram seu destino traçado e perderam para sempre o controle de Cha’zzar, que foi rebatizada como Banuta pelos primatas. Muitos acreditam que antes de fugirem, os lagartos conseguiram selar algumas serpentes em territórios sagrados e inacessíveis de forma que elas nunca possam sair e que protejam, ainda que involuntariamente, o que restou de sua cultura.

As fontes utilizadas incluíram livros espalhados pelo Tibia e também a criatividade ou não da autora para complementar as brechas na história. 

Não percam o próximo capítulo, será sobre Dark Cathedral!

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Digite o que você deseja pesquisar no Tibia Life e aperte enter! :)